Candidatos a Melhor Queijeiro do Brasil 2024

Presentes na primeira etapa realizada na sede da Suck Milk em Nova Erechim, Santa Catarina, os candidatos fizeram sua receita escolhida e prometeram o resultado que será entregue dia 13 de abril, em São Paulo. Abaixo, cada equipe e a sua promessa de queijo.

Alan Irineu, Ultracheese

Alan, 30 anos, fez quatro pequenos queijos de massa semi cozida. “A massa vai ter pequenas olhadoras mecânicas, pouco ácida, com sabor marcante, mas sem ser picante. Queremos algo levemente adocicado e amanteigado, com textura fundente” prometeu o queijeiro, assessorado por Caio Oliveira e Welington da Silva.

Equipe da Ultra Chesse FOTO: Andressa Fusieger/SerTãoBras

Cleiton Wantz, Latpassos

Vindo de Três Passos, no Rio Grande do Sul, Cleiton fez um queijo inspirado nas receitas suíças de olhaduras, uma única peça de 5 kg, em tecnologia de massa prensada cozida. “Ele vai ter olhaduras não muito grandes, entre 2 e 4 cm, regulares. Os aromas serão frutados, com sabor adocicado que lembra macadâmia. A textura vai ser fundente na boca, desmanchando. A casca vai ser de aparência lisa” prometeu o candidato, que foi ajudado por Janthan Eberhardt e Cleberton Wantz.

FOTO: Andressa Fusieger/SerTãoBras

Diego Perosa, Queijos Perosa

De Iraceminha, Santa Catarina, o engenheiro de alimentos Diego, 36 anos, prometeu um queijo de casca florida natural, rústica. “Queremos como resultado uma massa levemente ácida, lática no final, com notas e aromas terrosos, amanteigados e de cogumelos, uma textura cremosa e muito sabor”.

Ele prometeu revisitar a receita do colonial, mas com uma textura mais macia. “Ele não será picante, mas sim mais suave.” O resultados foram dois queijos de 2,5 kg. Ele fez dupla com Rodrigo Grosmam.

Equipe da Queijos Perosa FOTO: Andressa Fusieger/SerTãoBras

Henrique Herbert, Flor da Terra – Biopark

De Toledo, no Paraná, Henrique, 27 anos, prometeu um queijo suave de sabor intenso que ele já batizou de “entardecer do Oeste”.  “É uma massa prensada semi cozida, textura levemente elástica, mas com uma massa firme e fechada. Os sabores serão ácidos, frescos, láticos, de creme de leite, de carne maturada, complexos, com um visual diferenciado”. Ele foi ajudado por Kennidy de Bortoli, também queijeiro do Biopark.

Equipe do Biopark FOTO: Andressa Fusieger/SerTãoBras

Sandra Piovesan, Sítio Esperança

Da cidade de Barão de Cotegipe, Rio Grande do Sul, a veterinária e produtora rural Sandra, 34 anos, faz queijos autorais com leite do próprio rebanho. Com sua equipe Martina Sgarbi e Beth Tonel, a promessa feita foi de um queijo de casca lavada. Elas fizeram dois queijos do mesmo tamanho. “Vai ser um queijo macio,  com aromas de especiarias, adocicado, sem acidez e massa elástica, fundente na boca. A maturação vai ser feita com lavagens da casca em cachaça envelhecida em tonéis de amburana, com aromas de cravo e canela,  notas mais indianas. É um queijo autoral, inédito, criado por nós três”, disse o trio.

Equipe do sítio Esperança FOTO: Andressa Fusieger/SerTãoBras

Tayllanny Araújo, Cabana da Tatá 

Equipe FOTO: Andressa Fusieger/SerTãoBras

A única candidata de fora do eixo Sul-Sudeste, Tayllanny, conhecida como Tatá, 36 anos, veio de São Geraldo do Araguaia-Pará e atravessou o país para disputar o concurso. Ela prometeu um queijo de massa fechada, textura cremosa, casca lavada, aroma e sabor amendoado. “Ele vai ser macio ao partir, bem cremoso, do tipo que suja a faca,” disse ela, que representa a Comunidade do Queijo, com a colaboração de Dinha Capanema e Valéria Ramos.